Já reparou como as coisas viram modinha? O cão da vez é o francês (sempre fui apaixonada pela raça e queria aquela cara de frigideira muito antes da moda. Ainda terei um!) e a onda do momento é ter suculentas. Acho influência total do Pinterest.

E claro, um belo dia eu acordei com vontade de ter umas pra chamar de minhas também. (Já que o cachorro, no momento, é inviável…)

Todas plantadinhas. Os vasos ainda estão em processo

Minha história com plantas:

Meses atrás, passei no mercado e compre duas mudinhas. Uma de orelha-de-gato que apodreceu e eu tentei salvar uma folha… não conhecia a técnica de fazer mudas de suculenta, então enterrei a pobre, que ficou inerte por uns 4 meses. Nem morria, nem crescia. Se fossem 2, pra parecer um gato enterrado, eu até deixava, mas aquela folha solitária estava me incomodando! Até que eu resolvi tirar e fazer do jeito certo. Olha como ela é resistente: está brotando!

A parte sem pelos é que estava enterrada, coitada!
A outra eu plantei num pote de vidro e podia jurar que ela estava morrendo, porque sempre tinha uma folha murcha caída da parte de baixo. E eu frustrada, porque não conseguia cuidar nem de suculentas. Além disso, o vidro não tem drenagem, então a terra mofou… mas olha como a bichinha cresceu, apesar das adversidades?! 

Não é engraçado como a gente não percebe a mudança de algo que vemos todo dia? 
Nem parece a mesma planta! Ganhou até nome: Groot <3 (clica aqui pra entender)

Animada com a evolução dela, comprei uma florzinha, sementes de dálias e sementes de pimentas, porque era o que tinha na loja. E elas já estão despontando na terra! É uma sensação muito boa conseguir fazer um ser vivo se desenvolver, mesmo que a única coisa que se tenha a fazer é por água. (Que no caso das suculentas, mesmo que você esqueça, elas vão continuar vivas.)

Aí, né… acabei me empolgado e ainda peguei a raiz das cebolinhas que estavam na geladeira e plantei na terra que sobrou. Se colocar num copo de água ela vai brotar (já tentei, mas mofou e deu bicho). Na terra não teve erro!

A Kalanchoe é um tipo de suculenta e também é chamada de flor-da-fortuna

Bebês Dália! (E dizem que casca de ovo é bom pra terra)
Cebolinhas, 4 dias depois de plantadas

Outro dia, lá no Instagram da Thamyrez, ela falou que a gente não deve cobiçar o jardim do outro. Super concordo! Ter umas plantinhas nem é tão complexo assim. Se eu consigo, você consegue!

Mas acho que as pessoas deveriam ser menos egoístas também. Não precisaríamos comprar se trocássemos, né? Vamos doar mudinhas de nossas plantas e fazer outras casas felizes!
Elas demoram pra crescer, mas se alguém quiser das minhas, é só pedir! 🙂

Não deixe de curtir a página do blog no Facebook!

Disqus

casadocecasa

Wordpress

4 respostas para “Cuidando de suculentas (e outas plantinhas)”

  1. Eu peguei amor pelas suculentas quando minha cunhada me deu várias mudas e eu comecei a perceber que eu conseguia não só não matá-las, mas fazê-las crescer! Foi tão gratificante que fui comprando outras! Acabei fazendo 2 berçários, e essas mudinhas que estão crescendo, sempre acabo dando de presente para alguém. É uma delícia!

    Beijos

    • Que lindo, Ju! Volta e meia cai uma folha das minhas e eu estou pondo num berçário também. Quando crescerem, vou fazer o mesmo!
      É realmente gratificante a sensação de não mata-las!
      Vou ver se acho foto das suas em algum lugar.
      Beijos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *