Esse post é pra compartilhar minha nova forma de organizar as roupas que tem funcionado muito!!! Não entendo de leis de organização, ok? Isso é uma experiência própria, apenas. Eu tenho usado e percebido que dá certo, que atingi meu objetivo, então, nada melhor do que vir aqui te mostrar pra, quem sabe, te fazer enxergar suas coisas de outra maneira e te ajudar. 😉

 

Eu era o tipo de pessoa que nunca tinha o que vestir. Apesar de ter mesmo, poucas roupas, eu não usava metade do que tinha e sempre achava que precisava de algo que não tinha. Se identifica?

Eu era o tipo de pessoa que guardava “pra quando precisasse”, sabe? Roupas novas ou mais arrumadinhas ficavam pegando poeira, porque se surgisse um evento, elas ainda estariam lá, novas. E esses eventos nunca surgiam. Nunca era adequado praquilo que eu estava guardando.

Aí um belo dia eu resolvi reorganizar tudo. Veja bem, meu armário sempre foi arrumadinho. Eu dizia que treinava pra ser cega, porque as coisas saem e sempre voltam pro mesmo lugar. E eram organizadas seguindo o padrão de clima: da mais fresca até as de de frio.

Era legal, eu acessava de acordo com a temperatura do dia, mas sempre naquela de “eu não tenho nada pra vestir, preciso comprar mais (complete aqui com qualquer peça de roupa) pra dias como hoje.”

Agora, a nova organização veio mudar a forma como eu olho pras minhas roupas. Mas preciso te contar algo antes de continuar: minhas categorias são MINHAS, vocÊ pode ter outras necessidades, então tome isso mais como um exemplo, beleza?

No vídeo que fiz pro canal dá pra ver como é o armário, mas vou explicar aqui, em texto, pra complementar, caso tenha ficado confuso. Assiste aqui, depois volta pro texto…

 

 

Nova organização: principais categorias

Elas são divididas por cor de cabide (brancos, madeira, pretos e roxos). Antes de abrir o armário pra pegar a roupa, eu já sei onde estou indo, então, automaticamente, já sei pra qual grupo preciso olhar, de acordo com as categorias abaixo. Isso me poupa um tempo absurdo! Ao invés de olhar todas as peças que tenho e ir escolhendo NÃO usar cada uma delas, até achar aquela que vou usar, olho um grupo muito menor. Isso diminui bastante a quantidade de pequenas escolhas que preciso fazer.

 

– roupas de “vou ali na padaria”

Aquela roupa que eu só jogo no corpo pra não sair pelada, porque sei que vou a um lugar em que não preciso estar linda e maravilhosa. Ir à padaria, mercado, farmácia, no armarinho do bairro comprar material pra um diy… acho que a essa altura você entendeu o ponto, né?

São roupas tipo as de ficar em casa (eu fico em casa com aquelas mais velhinhas, as vezes manchadas, desbotadas, furadinhas… que não são tão apresentáveis), velhas e super simples, regatas, ribanas, vestidos de malha, mas que ainda estão em bom estado de conservação (fora uma ou outra bolinha).

– roupas de ir a um compromisso mais informal

Sabe quando você está em casa e precisa ir a uma consulta no médico? Ou ao cartório, ao centro da cidade resolver algo, encontrar conhecidos em uma conversa informal . Qualquer compromisso. (Que é diferente de um evento. Já explico.)

Pra essas ocasiões onde eu gosto de estar mais apresentável. Um nível acima de jogar qualquer coisa em cima do corpo, mas não preciso estar arrumada (apesar de acabar ficando mais arrumadinha).

– roupas de trabalho / eventos

Um evento é um compromisso, mas um compromisso não é, necessariamente, um evento. Pra ir a um evento você pensa no que quer vestir, em qual mensagem / imagem quer passar pras pessoas que vão te olhar. Se alguém ali nunca te viu, o que você quer que ela pense de você? Sim, a gente pensa nessas coisas, sim! Até quem não tá nem aí pra opinião dos outros e se veste como quiser, está passando uma mensagem ao fazer isso. 😉 (Talvez eu fale mais sobre isso em outro vídeo.)

Assim como a gente passa uma imagem quando se veste pra ir trabalhar. Seja de terno, seja de uniforme, passamos uma mensagem. Essas roupas desse grupo são essas, destinadas a esses momentos.

Se eu preciso ir a um encontro, olho aqui. Se vou a uma reunião, olho aqui também. São bem variadas, mas o que une todas elas é que são as mais sociais e mais novinhas.

– roupas de festa

Festas arrumadas. Não festinha de aniversário da filha da amiga. É festa onde o dress code indica que eu preciso fazer maquiagem e cabelo, sabe? Vestidos finos, longos, com brilhos…

Uma área que as vezes só é acessada 1x no ano, pra ser sincera. Por isso tão pequena.

*Tenho um pequeno grupo de casacos de frio que também quase nunca são usados, por motivos de: Rio de Janeiro.

**roupas de academia, de ficar em casa e íntimas, são separadas e ficam em gavetas, cada uma na sua, então não tem galho e não precisam entrar na dança.

 

Sub categorias: tamanho e clima

Dentro de cada divisão tem uma ordem em que as roupas são dispostas. Todos tem, mais ou menos, os mesmos tipos de peças.

Eu sempre começo pelas saias: primeiro as mais curtas, e vou aumentando o comprimento.

Até chegar nos vestidos, que seguem a mesma ordem crescente: tomara que caia, alça fininha, alça grossa, manga curta, manga média, manga comprida.

As mangas compridas iniciam a parte de camisas e casacos, que vão das mais fininhas até os mais grossos.

Então aquela divisão climática meio que permanece, mas agora subdividida. Isso otimizou meu tempo e me fez usar mais as minha coisas!

Se antes eu olhava e me desesperava porque não tinha opção legal dentro de um armário inteiro, hoje eu vejo várias opções praquela situação: tem um grupo inteiro de roupas disponíveis, é só eu escolher uma!

Entende a mudança de ponto de vista?

 

Espero que isso te ajude a olhar melhor suas roupas, se você é alguém que sofre do mesmo problema de “falta de roupa” que eu! Se quiser testar e depois voltar aqui pra me contar como foi, vou amar saber!

 

Disqus

casadocecasa

Wordpress

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *